Arrepios gelando a espinha dorsal,
A vida por um fio.
Todos os sentidos, excitados,
Funcionando.

A verdade intimida,
Não deixa saída,
Tensos, frios, nervosos dias.

Palavras lançadas,
Desesperadas,
Sinistro conto de fadas.
Pra que lado correr?
Na selva, não há como saber.

E se pergunta, confuso,
O porquê dessa ambição.
E deprimido conclui
Que não sabe a razão.

De tanto dor, de tanta dor.

Estado de angústia, confusão total.
Quem vai proteger teu sono?
Estado de angústia, alucinação geral.
Quem vai conseguir dormir em paz?

Calafrios minando o corpo,
Gritos aflitos e roucos,
Angustiante deformação dos conceitos.

Medo da vida ou da morte,
Do som ou do silêncio.
Contradição gera angústia
E o mundo mutante.