Esta é uma história
Que acontece todos os dias
Nas favela, morros e periferias
Trabalhador que morre
Com uma bala perdida
É mais um pai de família
Que perdeu sua vida --
Menina nova por dinheiro
Se prostituindo
Quer vida fácil, é, vai se iludindo
Enquanto isso o playboy
Vive na boa, viaja pro exterioir
Gasta dinheiro à toa --
O povo sorrindo
Achando tudo lindo
Escravidão de sol a sol
Domindo a Domingo
Salário mínimo, sem reclamação
Não quer criar problema
Nem irritar o patrão --
Mundo cão, um dia terá de mudar
Jesus irá voltar pra revolucionar
Que é pra mandar todos os
Problemas que um dia eu vi
É, pra uma cidade muito longe daqui

Numa cidade muito longe
Muito longe daqui
Que tem favelas que parecem
As favelas daqui
E tem problemas que parecem
Os problemas daqui
(É, os problemas daqui)

Existem homens maus
Sem alma e sem coração
Existem homens da lei
Com determinação
Mais o momento é de caos
Porque a população
Na brincadeira sinistra
De polícia e ladrão
Não sabe ao certo quem é
Quem é herói ou vilão
Não sabe ao certo quem vai
Quem vem na contramão
(A vida é o certo no lugar errado)
Não sabe ao certo quem é
Se é herói ou vilão
Não sabe ao certo quem vai
Quem vem na contramão

Porque tem homem mal
Que vira homem bom
Porque tem homem mal
Que vira homem bom
Quando ele banca o remédio
Quando ele compra o feijão
Quando ele tira pra dar
Quando ele dá proteção

Porque tem homem da lei
Que vira homem mal
Porque tem homem da lei
Que vira homem mal
Quando ele vem pra atirar
Quando ele caga no pau
Quando ele tem que salvar
E sai matando geral

Tanto lá como cá
Ladrão que rouba ladrão
Não tem acerto, é pedir terror
Não tem perdão
Quem fala muito é X-9
Mais o X do problema
Tá na corrupção
Vai vendo
Um dia, o bicho pegou
O coro comeu
E aí meu compadre
Foi à vera
Daquele jeito, vagabundo

Bateu de frente
Um bandido e um sub-tenente lá do batalhão
Foi tiro de lá e de cá
Balas perdidas no ar
Até que o silêncio gritou
Dois corpos no chão, que azar
Feridos na mesma ambulância
E na dor de matar
Mesmo mantendo a distância
Não deu pra calar

Polícia e bandido trocaram farpas
Farpas que mais pareciam balas
E o bandido falou assim
Você levou foi por dinheiro meu
Agora tá querendo me prender
E eu te avisei você não se escondeu
Deu no que deu e a gente tá aqui
Pedidindo a Deus pro corpo resistir
Será que ele tá afim de ouvir?
Você tem tanta basuca
Pistola, fusível, granada
Me diz pra que tu
Tem tanta munição?

É que além de você
Nóis ainda enfrenta
Um outro comando, outra facção
Que só tem alemão sanguinário
Um bando de otário
Marrento, querendo mandar
Por isso eu to bolado assim
Eu também to bolado sim
É que o judiciário tá todo comprado
E o legislativo tá financiado
E o pobre coitado que joga seu voto no lixo
Não sei se por raiva
Ou só por capricho
Coloca a culpa de tudo
Nos homem do camburão
Eles colocam a culpa de tudo
Na população

E se eu morrer põe outro em meu lugar
E se eu morrer vão me condecorar
E se eu morrer será que vão lembrar?
E se eu morrer será que vão chorar?
E se eu morrer, e se eu morrer, e se eu morrer

Chego de ser subjugado, subtraído
Subnutrido, um sub-bandido de um
Submundo, um subtenente de um
Sub-lugar, um sub-país, um sub-infeliz

E o meu povo tá morrendo
Muleque novo se envolvendo
Menina nova engravidando
E o bicho tá pegando

Laialaialaialaialaialaialaiala

Mais essa história
Eu volto a repetir

Aconteceu numa cidade
Muito longe daqui
Numa cidade muito longe
Muito longe daqui
Que tem favelas que parecem
As favelas daqui
E tem problemas que parecem
Os problemas daqui
Daqui
Daqui

Video erróneo?