Caro é transformar-se num arremedo de si próprio
A ponto de nem se reconhecer mais
Hoje eu tenho 130 anos
Isso não estava nos meus planos
Você sabe, a desordem é tenaz

Tantos laços, tantas amarras
Os controles, pretensões
Nada adianta se o vento não soprar
Esse vento sob minhas asas
Eu não mando mais em nada
Sei que é alto, mas eu vou pular

O que todos vão dizer?
E aonde vão chegar?
Nem os olhos podem ver

O que todos vão dizer?
E aonde vão chegar?
Nem os olhos podem ver

Decidido eu não volto pra casa
O lar é o corpo e todas as palavras
Que a vontade conseguir pensar
Segue o vento sob minhas asas
Eu não mando mais em nada
Sei que é alto, mas eu vou pular

O que todos vão dizer?
E aonde vão chegar?
Nem os olhos podem ver

O que todos vão dizer?
E aonde vão chegar?
Nem os olhos podem ver

Video erróneo?