Sei que ninguém parte as flores
Ou um girassol plantado em seus segredos
E ninguém desfaz a morte
Mas te pede a mão para perder o medo
Guardo calado no peito
Um anjo semi-morto que vive sozinho
E que desce as horas tristes
Mas semeia os ventos da eterna aurora

Estou só, não quero risos secos
Não quero nem amar
Não quero nada que me de a desventura
De chorar pelos cantos
E de pisar a lama
A lama do desgosto
Não quero nem sonhar
Não vou queimar a minhas mãos nas cinzas
Do que restou de mim

Sei que ninguém parte as flores
Ou um girassol plantado em seus segredos
E ninguém desfaz a morte
Mas te pede a mão para perder o medo
Guardo calado no peito
Um anjo semi-morto que vive sozinho
E que desce as horas tristes
Mas semeia os ventos da eterna aurora

(Refrão)

Video erróneo?