Há muito tempo
Que eu sei o que eu quero
Preparo, planto, espero
Reviro, viro, arreviro (virá)

Há muito tempo
Que saí por esse mundo
Moleque tento o topete
De qualquer barra encarar (sei lá)

E quando canto
É um canto bem largado
Qual um vaqueiro aboiando
O gado em pleno sertão

E quando grito
É por que eu quero espaço
Pois que não nasci pra laço,
Gaiola, freio ou bridão

Por isso mesmo
Quando torno à minha casa
Trago mais vidalegria
Estourando o coração

Pois se eu vivo
É bom que seja por inteiro
Não se morre só metade
Não se prende água na mão

Ah, meu menino
Procure seu norte
Não conte com a sorte
Te digo que a morte
Essa há quem te garanta

Vá, meu menino
Que o preço da felicidade
Só sabe mesmo em verdade
Quem pega na pedra e levanta.

Video erróneo?