Com minha junta de bois
Eu pego o rumo da estrada
Reconheço que sou velho
Estou no fim da jornada
Soberbo vou resistindo
O transporte da pesada
Somente o implacável tempo
Vai forçar minha parada

Eee boi, eee boi

Meu avô era carreiro
O meu pai também já foi
A herança deles carrego
No velho carro de boi
Eu vou cumprir esta sina
De uma longa geração
Embora os tempos mudaram
Mas mantenho a tradição

Eee boi, eee boi

Meu carro já carcomido
Simboliza um passado
Os seus cocôes ragem triste
Protestam muito magoados
Do progresso que destrói
Nossa estrada carreteira
O asfalto vai apagando
Todo o encanto da poeira

Eee boi, eee boi

Enquanto existir estrada
Que o carro possa rodar
Sou o último dos carreiros
Bravo herói a candear
Quando eu for pra eternidade
Este carro vai parar
A profissão de carreiro
Não tenho pra quem deixar

Eee boi, eee boi

Video erróneo?